quinta-feira, abril 26, 2007

Se Me Censuram

se me censuram escrevo mais alto
os dedos não me podem calar
amo a poesia de forma tão pura;
estas palavras apetece-me gritar.

se me censuram não morro
vai sempre restar o que escrito está
ódio, paixão e empatia;
o ciclo, lixo que sou, reciclado.

se me censuram fico mais vivo
a brotar amor com discuro rude
espalhar revolta na ausência
da liberdade que nos prometeram.

na minha poesia tudo vive
"ódio, paixão e empatia";
em nenhum poema me esqueço de ti
seria a paixão que te dirigia.

censuraste-me de maneira tão fria
não me quiseste e foste embora,
o que te escrevo por ti não é lido
qual a diferença entre isso e a censura?


26 Abril 2007
Hugo Sousa

1 comentário:

laura disse...

recalcamentos, é o que se diria de qualquer tipo de censura,mas o que será a censura senão uma própria censura daquilo que pensamos censurar?recalcamentos é o que se diria, bom texto.