sexta-feira, dezembro 28, 2007

Viagem Sem Fim

entra nesta viagem sem fim
um barco de palavras foi o que consegui
para nos levar à verdade do mundo
temos pela frente um mar imenso
onde vos apresento o que penso
no meu coração moribundo

por outras terras vamos passar
com a vontade de navegar
entrelaçada nos sentimentos
por ilhas e continentes,
as palavras mordidas pelos dentes
espalhadas p'ra lá do cabo dos tormentos

com culturas que nos são estranhas
espremê-las até às entranhas e
enriquecer a nossa sabedoria
as comidas e os cotumes legais
pelas nossas peles morenas jamais
cairão em desuso e serão esquecidas

entra nesta viagem sem fim
um barco de poesia foi o que consegui
para nos levar à verdade do mundo
as palavras nunca antes ditas,
dúvidas na existência de belas rimas
atordoadas por um vazio profundo

entra nesta viagem sem fim
um barco de palavras foi o que consegui
para todos: para mim: para ti

entra nesta viagem sem fim


28 de Dezembro 2007
Hugo Sousa

6 comentários:

O Divagador disse...

A alma portuguesa condensada num só poema!!!
Os barcos, os mares, as viagens, a poesia. Ser português é isso mesmo
Gostei.

Parrinha disse...

Enquanto se lê um sorriso vai surgindo. "Fantástico!" -pensei...
irrealmente bonito o que escreveste...MAGNÍFICO!!! gosto, adoro!!
E se o nós é nós: eu já estava à espera que o "tu de nós" entrasse no barco; pensei que pensei naquilo que pensaste e escreveste e não acreditei que também pensaste naquilo que eu pensei.

Inês disse...

É mesmo....de repente estava a ler Hugo Camões Sousa!! Brilhante!!!!

Flipada disse...

Um verdadeiro barco de palavras, n e preciso dizer mais nada.

Alpinista disse...

Um verdadeiro barco de palavras, nao e preciso dizer mais nada.

Laura disse...

Olá Hugo.
Antes de mais devo dizer-te que li todos os teus poemas, apenas nao consigo separar tudo o que penso dele por enquanto, estou muito orgulhosa por continuares a escrever, por te dedicares talvez um pouco à cruz que nós portugueses ou talvez almas lusitanas carregam que é a esperança, saudade e a dor que estas provocam...por palavras mais simples pequenos fados, sinto que são uns certos fados que leio, daqueles que percorrem as vielas, meio putrefactas, meio encantadoras, onde as historias, fantasia, realidade e desejo se misturam...espero que vás mais além ainda, sabes que confio em ti assim...o hugo escritor :P
beju*