quarta-feira, maio 23, 2007

Árvores de Sanguessugas IV

ser, então, é sentir com toda a pele, é ouvir com todos os orifícios e chorar com todas as forças. a ânsia de duas ou três palavras tuas preenchem o dia. a ausência de duas ou três palavras tuas completam o dia e a noite. começo por imaginar palavras mortas, depois, aproximo-me da cama e deixo o corpo em queda livre de encontro ao colchão. soletro o tecto, as paredes, a sujidade nas paredes e o silêncio. puxo-me para dentro de mim e grito. ecos movimentam um corpomoto. as garras na ponta dos dedos rasgam a pele e chove. uma chuva silenciosa, sem pavimento. não foste esquecida e eu nunca quis ser uma opção à solidão. chegaram as duas ou três palavras e continua tudo na mesma. a vida é a cada respirar a presença da tua ausência. a traição perdeu a virgindade. parecem-me os ossos com febre. a traição dá-me febre e peso nos ossos. tenho as veias acidadas, um coração que já circula com bocados de mim. qualquer dia coagula e eu rebento como os corações, que sentem em excesso.


23 Maio 2007
Hugo Sousa

1 comentário:

Laura a letárgica disse...

já te disse que gosto, ah gostei do pormenor dos dialogos nao aparecerem e da nota que deixas :P
eu acho que isto te pernas para anda sabes, agora tens é de estudar mais os personagens, acho que eles já tem um colchão bastante palpavel para ser continuo e seguro né...estou à espera de mais, de ti vou sempre esperando mais :)